domingo, 14 de outubro de 2007

A cerveja que virou tijolo












O verbo "reciclar" é coisa dos tempos de hoje, certo? Nem tanto.

Lançada em 1963, a Heineken WOBO (de "world bottle") já trazia a idéia da re-utilização. Idealizada por Alfred Heineken e desenhada pelo arquiteto alemão John Habraken, essa garrafa era puro ecodesign.

O Sr. Heineken teve essa idéia depois de uma visita ao Caribe. Lá, viu praias cheias de garrafas vazias. E pôde constatar também a falta de materiais de construção mais baratos, ao alcance de classes mais baixas. Voltou de viagem com idéias fermentando na cabeça.

A WOBO foi lançada em dois tamanhos: 350 e 500mm. A produção de 1963 rendeu 100.000 frascos - e alguns desses foram utilizados em uma pequena construção na propriedade de Alfred Heineken em Noordwijk, Países Baixos. Um dos desafios dessa construção foi encontrar uma maneira em que os cantos e as aberturas pudessem ser feitos sem recortes - ou seja, quinas e batentes bem retinhos.




















Apesar do sucesso inicial, alguns anos depois a WOBO saiu de linha. Mas em 1975 (depois de um capítulo inteiro dedicado à idéia de Heineken no livro "Garbage Housing", de Martin Pawley) a idéia ganhou força novamente: o dono da cervejaria chamou Habraken - que chamou Rinus van den Berg - e projetaram uma construção com tambores de óleo como colunas, tetos de Kombi como telhado e... as garrafas de cerveja como tijolos. Mas, infelizmente, essa estrutura nunca foi efetivamente construída (a foto abaixo seria maquete).

Hoje, pode-se ver uma parede toda feita de WOBO no Heineken Museum, em Amsterdam. Em outros tempos, a idéia não vingou da forma como seu idealizador queria. E hoje, será que as coisas seriam diferentes?















fonte - inhabitat

2 comentários:

Erika Tani disse...

Que interessante! Os caras já pensavam lá na frente...Muito bacana!

Thiramiro disse...

Essa garrafa teria ganhado um milhão de premios se tivesse sido lançada hj em dia.